Projeto Green Gap

Implementação de projectos-piloto de restauração ecológica, reforçando a biodiversidade e a adaptação às alterações climáticas, para impulsionar os serviços ecossistémicos e a redução dos incêndios florestais.

O projeto Green Gap opera na região transfronteiriça da Galiza e Norte de Portugal, incluindo, entre outras ações, um total de 7 projetos-piloto de Infraestruturas Verdes como práticas demonstrativas. Pretende também – a partir da escala local – proteger, conservar e valorizar a natureza e os elementos que compõem a infraestrutura verde na área transfronteiriça, promovendo o seu planeamento, contribuindo para a perda de biodiversidade e valorizando os ecossistemas naturais, o ambiente urbano e os serviços ecossistêmicos.

Este projeto reforçará o papel das administrações locais no desenvolvimento de políticas eficazes de proteção e conservação da natureza, sendo este o principal elemento inovador do projeto. É composto por um total de 11 parceiros, incluindo 4 administrações locais, 3 administrações nacionais/regionais e 4 entidades científicas.

Fases do projeto

Objetivos Green Gap

O Green Gap tem como objetivo proteger, conservar e melhorar a natureza e os elementos que constituem a infraestrutura verde na zona transfronteiriça. Actua à escala local, criando uma rede de infra-estruturas verdes de qualidade e multifuncionais que contribuem para o desenvolvimento sustentável, travam a perda de biodiversidade e aumentam o valor dos ecossistemas naturais, do ambiente urbano da zona e dos serviços ecossistémicos.
Integra também uma perspetiva de mitigação e adaptação às alterações climáticas e aos seus efeitos, promovendo a prevenção e a gestão dos riscos daí resultantes, sob uma abordagem inovadora e multifuncional. Uma paisagem resiliente é assim concebida através da regeneração ambiental, da melhoria ecológica dos espaços verdes naturais e da inclusão de soluções baseadas na natureza, valorizando o papel das administrações locais.

Objetivos específicos

Planeamento de infra-estruturas verdes

Implementação de projetos-piloto

Projetando uma Paisagem Resiliente

Formação e Capacitação

Âmbito geográfico Green Gap

Cooperação transfronteiriça

O âmbito territorial principal do projeto são as províncias de Pontevedra e Ourense na Galiza, bem como as unidades territoriais do Ave e Alto Minho na região norte de Portugal, cobrindo uma área de 15.439,8 km². O projeto inclui uma série de intervenções-piloto em infraestruturas verdes – exemplares e replicáveis noutras partes do território – nos municípios de Pontevedra, Muiños e nos municípios do Baixo Minho, na zona galega, e em Paredes de Coura e Guimarães, na zona portuguesa.

Do ponto de vista ambiental, a zona caracteriza-se por um clima atlântico húmido, granítico, com uma densa rede hidrográfica – destacando-se o rio Minho e áreas associadas -, bem como um conjunto de ecossistemas e espaços naturais de elevada qualidade ambiental, reunindo espécies de grande interesse para a conservação da biodiversidade. Destaca-se ainda pela sua singularidade e beleza paisagística, dando origem a um território de urbanização dispersa e heterogénea, no qual coexistem meios urbanos de dimensão moderada, entidades rurais e espaços naturais.
 
Do ponto de vista ambiental, o território enfrenta problemas comuns em termos de biodiversidade e conservação da natureza – destacando-se a degradação dos ecossistemas devido à elevada presença de espécies exóticas invasoras – que requerem uma ação conjunta e integrada, definida por uma intervenção mais decisiva da administração local e as ameaças decorrentes das alterações climáticas (incêndios florestais e inundações).
 
Para isso, será necessário implementar estratégias integradas de infraestruturas verdes, bem como ferramentas que favoreçam a gestão sustentável do território, mitigando a perda de biodiversidade local, favorecendo a regeneração e a melhoria ecológica dos espaços naturais – urbanos e rurais – e respondendo aos efeitos das alterações climáticas no território, com especial atenção aos incêndios florestais – a principal ameaça para o território transfronteiriço – agravados pela presença de grandes massas de espécies florestais pirofíticas. Da mesma forma, este território transfronteiriço tem como problemas comuns a falta de políticas locais e de planeamento de infraestruturas verdes, bem como uma certa falta de sensibilização e profissionalização, à qual este projeto pretende dar uma resposta integrada e conjunta.

Actividades do Green Gap

Conheça as acções que definem o Green Gap

Explore as principais actividades e os resultados esperados do Green Gap, que melhoram a infraestrutura verde e a resiliência ecológica na Galiza e no Norte de Portugal.

Atividade 1

Desenvolvimento de estratégias de infraestrutura verde e resiliência às mudanças climáticas a nível local

Busca-se uma maior integração da natureza e das dinâmicas ecológicas no planeamento dos ambientes urbanos e rurais do contexto, desenvolvendo estratégias de infraestrutura verde - impulsionadas desde a esfera local - e fomentando a integração destas estratégias nos instrumentos de ordenamento territorial.

  1. Desenvolvimento do planeamento local da Infraestrutura Verde na Eurorregião e implementação de estratégias a nível municipal
  2. Integração do planeamento da Infraestrutura Verde na legislação e planeamento das entidades locais da Eurorregião
  3. Ferramenta Transfronteiriça para o acompanhamento e avaliação da execução de Estratégias de Infraestrutura Verde locais
Resultados esperados:
  1. Estratégias de Infraestrutura Verde e Adaptação às Mudanças Climáticas dos municípios de Paredes de Coura, Guimarães e da província de Ourense.
  2. Guias metodológicas para a integração das Estratégias Locais de Infraestrutura Verde na legislação e planeamento das entidades locais da Galiza e de Portugal.
  3. Guia metodológica para o Acompanhamento e Avaliação da implementação de Estratégias Locais de Infraestrutura Verde e Adaptação às Mudanças Climáticas na Eurorregião da Galiza e do Norte de Portugal.
  4. Ferramenta Online de aplicação da Guia e para o seu Acompanhamento e avaliação prática

Atividade 3

Estratégias inovadoras com a sociedade civil para a gestão sustentável do território local e o aumento da sua resiliência às mudanças climáticas.

Após a revalorização dos serviços ecossistémicos na área, serão desenvolvidas ferramentas para a gestão sustentável da área transfronteiriça, implementando projetos de custódia do território pelas entidades locais, com o objetivo de aumentar a resiliência local aos efeitos das mudanças climáticas.

  1. Elaboração e implementação de uma metodologia transfronteiriça para a quantificação de serviços ecossistémicos em escala local
  2. Projetos piloto inovadores de gestão florestal para impulsionar os serviços ecossistémicos e reduzir o risco de incêndios
  3. Desenvolvimento e promoção de uma estratégia transfronteiriça de custódia do território em escala local.
Resultados esperados:
  1. Projeto Piloto 5. Gestão sustentável de faixas primárias de defesa florestal na Área da Rede Natura "Corno do Bico" através de pastoreio preventivo (Paredes de Coura)
  2. Projeto Piloto 6. Criação de faixas de vegetação autóctone em massas florestais contínuas de espécies pirofíticas em montes vizinhos de Pontevedra
  3. Projeto Piloto 7. Reflorestamento para melhoria da biodiversidade e redução do risco de incêndios da Rota da Biodiversidade (Guimarães)
  4. Plataforma Transfronteiriça de Custódia do Território e Serviço de assessoramento para impulsionar a custódia do território em Pontevedra, Guimarães e Paredes de Coura, alcançando um total de 9 acordos de custódia.

Atividade 5

Coordenação.

Abrange todo o trabalho necessário para a gestão e o bom funcionamento do projeto, do ponto de vista administrativo e em matéria de justificação económica e de coordenação dos parceiros, assim como de avaliação externa. Também inclui o trabalho de avaliação e monitorização de resultados, tanto ex ante como in itinere e ex post.

  1. Coordenação do projeto, incluindo o manual de gestão de procedimentos e o painel de controlo para a monitorização do projeto
  2. Gestão financeira do projeto, relatórios de monitorização financeira do projeto e relatórios técnicos sobre a execução do projeto
  3. Avaliação externa

Atividade 2

Infraestruturas verdes piloto para a melhoria da biodiversidade, recuperação de espaços naturais e design de paisagens resilientes

Com o objetivo de iniciar a implementação das estratégias de Infraestrutura Verde em território transfronteiriço, pretende-se a realização de ações piloto na área de atuação, orientadas para a restauração ecológica, melhoria da biodiversidade e adaptação às mudanças climáticas a partir da escala local.

  1. Projetos de Infraestrutura verde para a recuperação de ambientes naturais protegidos ou degradados urbanos, ou periurbanos.
  2. Projetos de Infraestrutura Verde para a Restauração ecológica e melhoria da biodiversidade de espaços naturais em ambientes rurais
  3. Projeto de Infraestrutura Verde para a resiliência às mudanças climáticas da Paisagem Transfronteiriça do Estuário do Minho - Santa Trega
Resultados esperados:
  1. Projeto Piloto 1. Renaturalização e reabilitação da Ribeira da Agrela em Guimarães.
  2. Projeto Piloto 2. Melhoria ecológica da área natural de Taboão no Rio Coura (Paredes de Coura)
  3. Projeto Piloto 3. Restauração ambiental no entorno da barragem de As Conchas (Muiños)
  4. Plano Transfronteiriço de Melhoria Paisagística do Estuário do Minho.
  5. Projeto Piloto 4. Melhoria dos valores paisagísticos e a resiliência às alterações climáticas.

Atividade 4

Rede transfronteiriça de conhecimento e formação em Infraestrutura Verde

Com o objetivo de aumentar a transmissão e geração de conhecimento no âmbito transfronteiriço, será desenvolvida uma rede de conhecimento para a melhoria da IV em escala local na eurorregião, visando melhorar o planeamento, design e implementação de projetos de IV na eurorregião.

  1. Implementação da Academia GREEN GAP. Escola Galego-Portuguesa de Infraestrutura Verde e Paisagem Resiliente.
  2. Criação de um Hub transfronteiriço de conhecimento e experiências práticas em matéria de Infraestrutura Verde
  3. Caixa de ferramentas de Soluções baseadas na Natureza aplicáveis às problemáticas ambientais e aumento da resiliência da Eurorregião da Galiza - Norte de Portugal
Resultados esperados:
  1. Implementação da Academia Green Gap Academy, 10 workshops Green GAP, incluindo 9 Palestras e Colóquios, Congresso Transfronteiriço de Infraestrutura Verde e Adaptação às Mudanças Climáticas (2 edições).
  2. Plataforma Hub Green Gap de conhecimento em Infraestruturas Verdes.
  3. Catálogo de Soluções baseadas na Natureza para a adaptação às mudanças climáticas no ambiente transfronteiriço Galiza-Norte de Portugal.

Atividade 6

Visibilidade, transparência e comunicação

O objetivo é conseguir uma transparência total no processo e uma visibilidade notável da ação, com a difusão do projeto e das ações desenvolvidas.

  1. Plano de comunicação, imagem e realização de atividades de difusão e sensibilização
  2. Sessões de lançamento e de encerramento do projeto GREEN GAP
  3. Plano de transferência e capitalização de resultados e programa de visitas para a difusão e o conhecimento das ações realizadas no território
Resultados esperados:
  1. Sessões de lançamento e de encerramento do projeto
  2. Exposição itinerante do projeto
  3. Sete rotas guiadas nas zonas de ação

Parceria Green Gap

Green Gap não seria possível sem a colaboração e o empenho de entidades-chave da Galiza e do Norte de Portugal, empenhadas na proteção da biodiversidade e das infra-estruturas verdes da região.

Administrações locais

responsáveis pela realização das ações-piloto

Administrações

responsáveis pela promoção das políticas de infraestrutura verde e paisagem na região da Galiza (Espanha) e em Portugal

Entidades científicas

responsáveis pela promoção de metodologias e meio comum para a promoção das infraestruturas verdes

A parceria do projeto é composta pelas entidades seguintes

Instituto de Estudos do Territorio

Entidade com competências em matéria de paisagem, coordenação e obtenção de informação territorial. O Instituto de Estudos do Território da Xunta de Galicia também elaborou a Estratégia de Infraestrutura Verde da Galiza.